Posts Tagged ‘Carla Machado’

Mesa redonda no lançamento do livro O Bebê do Amanhã

12/12/2014

Com a presença da ANEP Brasil, com Carla Machado, Laura Uplinger e Ceila Santos.

6000 mulheres na ONU

06/03/2013

csw57

Por Carla Machado

6.000 mulheres do mundo todo. Se uma mulher sozinha já pode causar um grande estardalhaço, imaginem 6000 mulheres do mundo todo reunidas num só lugar para tratar suas questões? No mínimo curioso ou divertido. Mas no meu entender, emocionante. No dia 2 de marco, saí com minha filha de 14 anos da Grand Central Station em NY e caminhamos em direção à sede da ONU. Já naquele momento pude sentir no ar que algo diferente e mágico estava para acontecer, pois a medida em que desciamos a Rua 44 fomos nos juntando a um grupo de senhoras indianas que seguia com muita convicção à nossa frente. Depois chegaram algumas chinesas. Mais à frente lindas africanas com seus turbantes. E quando estávamos em frente à porta, vejo um carro parado e percebo uma mulher se despedindo do marido, com um rosto familiar. Era a Barbara Pellegrini, uma das integrantes do grupo da OMAEP (Organizacao Mundial das ANEP’s), a quem eu so conhecia por facebook. Qual é a chance de entre 6000 mulheres você chegar junto com uma das 6 outras pessoas que você conhece no mesmo evento? Acertou, 1 em 1000. A partir dali não tive duvidas que seriam dias muito importantes.

Os temas sao fortes, só de ler os títulos deste CSW57, cujo tema é violência contra mulheres e meninas, pude sentir a DOR. Títulos como: como deter a violencia doméstica, exploração sexual, mutilação genital, tráfico de meninas, casamento na infância, meu Deus, aonde chegamos como humanidade??? Muita gente trazendo dados, estatísticas, exibindo o tamanho e a profundidade da ferida, mas as soluções ficam reduzidas a tratados – que países assinaram o tratado de Beijing? (tratado criado na 4a CSW mundial em 1995, Beijing, que identificou a violência contra as mulheres como uma das 12 esferas de especial preocupação que exigem a atenção especial e a adoção de medidas por parte dos governos, da comunidade internacional e da sociedade civil). Isso será suficiente??

A boa notícia é que a OMAEP e a FEFAF se juntaram e organizaram um evento sobre a importância da prevenção da violência, e como isso se dá no início da vida, desde o ventre materno! Criando um ambiente de amor, harmonia e tranquilidade para as gestantes e futuros pais, estamos reduzindo a violência e toda a energia e dinheiro gastos para combatê-la e remediá-la. Ou seja, atuar na causa, de dentro pra fora. Quando uma árvore começa a brotar e não tem espaço para crescer ela vai se entortar para achar seu lugar ao sol custe o que custar, pois a sobrevivência é o mais importante. Quando esta arvore está adulta, é muito difícil depois acertá-la e corre-se o risco até de quebrá-la ao tentarmos fazer isso. Mas se quando o brotinho esta tenro, saindo da terra, abrimos um espaco para ele em nosso terreno, em nossa vida pessoal, e em nossa sociedade, ele cresce ereto e confiante para ocupar seu lugar no mundo e dar seus frutos!

omaep_csw57

Este evento será na 6a feira próxima, coincidentemente, do dia 8 de Marco, dia internacional da Mulher. Que presente poder comemorar este dia desta forma!

21o. Encontro Nacional de Gestação e Parto Natural Conscientes

17/11/2012

Acontece no próximo final de semana, no Rio de Janeiro, a 21a. edição do Encontro Nacional de Gestação e Parto Natural Conscientes, organizado pela Professora Fadynha.

Esse ano teremos Carla Machado, presidente da ANEP Brasil, participando de duas mesas: a primeira, sobre simplicidade no nascimento e o impacto das intervenções abusivas em futuras gerações, ao lado da inspiradora Laura Uplinger e do pediatra especialista em aleitamento Marcos Renato de Carvalho; a segunda, ao lado de Julie Gerland, representante da OMAEP (Organização Mundial das Associações para Educação Pré Natal), entidade com caráter consultivo junto à ONU, cujo tema será “Trajetória de sucesso: a concepção consciente gera uma boa gravidez, que gera um bom parto, que gera um ser humano equilibrado”.

O Encontro debaterá também políticas públicas, direitos humanos, ativismo e a proposta de sustentabilidade e cultura não consumista no parto/nascimento.

Reproduzimos, abaixo, a mensagem da Professora Fadynha:

É com imensa alegria que chegamos à 21ª edição de mais um Encontro Nacional de Gestação e Parto Natural Conscientes, um dos mais expressivos do gênero, na América Latina. Escolhemos o tema O Nascimento na Luz da Simplicidade: Impactos Sobre o Futuro do Ser Humano para fomentarmos a discussão sobre um dos aspectos mais importantes dentro dos temas sustentabilidade e ecologia: a vida de uma criança – sua chegada a este mundo, a forma como é concebida e gestada – como base para uma humanidade verdadeiramente saudável e fraterna. Este é um tema desafiador, pois compreender o início da vida como período determinante para o futuro do planeta é um convite para uma das maiores mudanças de paradigma deste século XXI.

Este ano, contamos com palestrantes tradicionalmente amigos do Encontro, entre eles, Carla Machado, Educadora Pré-Natal e Presidente da Anep Brasil, Laura Uplinger, psicóloga pré e perinatal, Daphne Ratner, Presidente da ReHuNa, os obstetras Marcos Dias, Claudio Paciornik e Marcos Leite. Pela primeira vez teremos a fala da terapeuta inglesa Julie Gerland, membro da OMAEP, órgão de caráter consultivo junto à ONU sobre assuntos que envolvem a infância e educação pré-natal.

Como acontece sempre, abrigaremos com entusiasmo o Encontro Nacional de Doulas e mais uma Plenária da ReHuNa. Confiram a programação que inclui workshops, mesas redondas, palestras, mostras de filmes, rodas de bate-papo, prática de shantala, entre outras atividades. Agradecemos a todos que, de alguma forma, colaboraram para a realização deste Encontro, por amor às crianças, às mulheres, aos homens, ao planeta Terra.

Sejam muito bem-vindos!
Fadynha

7o. módulo da formação: Parto e Psico-História

20/08/2012

Por Sandra Sisla, Renata Matteoni e Thais Barral

O módulo 7 seguiu com a história e os nascimentos dos nossos antepassados e as influências de nossa história política, social e eventos mundiais.

Pudemos vislumbrar, com assombro, o percurso da humanidade sob a perspectiva dos modos de nascer e educar as crianças segundo pesquisas de psico-historiadores como Robin Grille e Lloyd De Mause.

Fatos nada agradáveis de ouvir, porém de importância fundamental para transformar o paradigma dos nascimentos e educação das crianças pequenas para uma humanidade mais fraterna. Para mudar, só através da consciência, avisou Eleanor Luzes.

Ficou bem clara neste módulo a importância de cuidar destes primeiros momentos de recepção do ser humano na vida, desde a concepção até os 3 anos, período onde todos os valores base do individuo são formados.

O aprendizado começa desde antes da concepção; a forma como é concebido, gestado  e parido, as vivências e  os sentimentos  dos pais ficarão impregnados na memória celular, influenciando ao longo da vida.

Apesar de a humanidade evoluir e de alguma forma melhorar, os partos da atualidade deixam muito a desejar. O que vemos são intervenções desmedidas que atrapalham toda a orquestra hormonal natural, interferindo na amamentação e vínculo.

Eleanor expôs sobre o impacto das intervenções  atuais nos partos – oxitocina sintética, anestesia, episiotomia, incubação, fórceps, cesariana – sobre os comportamentos da geração dos anos 1970/ 80 pra cá, e nos assustamos; identificamos nossos filhos com os sintomas.

Ao compartilhar sua vivência pessoal, comentou que sempre, sem exceção, se emocionou ao acompanhar nascimentos. E Laura Uplinger sabiamente nos lembrou do sagrado, sempre presente na chegada de seres a esse mundo, ainda que aconteça de forma violenta ou pouco respeitosa.

Laura e Carla Machado, em suas falas, nos lembraram que existe luz no fim do túnel: do ponto de vista individual sempre é possível reprogramarmos nossas histórias, desatar nós e nos prepararmos antes mesmo da concepção para uma recepção amorosa, contribuindo assim para uma humanidade mais fraterna.

Depois de dois dias de intenso pensar e repensar, e de vivenciarmos internamente as catarses e emoções mais profundas, na linda manhã de domingo recebemos a doce voz da diretora da Casa Ângela, Anke Riedel.

Anke nos brindou com imagens e depoimentos de lindos partos assistidos na Casa Ângela, e pudemos constatar animadas que é possível uma nova maneira de parir e de nascer. Investindo constantemente em treinamento das equipes, com atualização e abertura para propostas de humanização , pudemos ver partos onde até os móveis da sala foram retirados a pedido do casal.

Com base no respeito à individualidade e ao parto como um evento íntimo e familiar, a experiência da Casa Ângela é a prova que com confiança e persistência podemos chegar em um modelo de assistência que permite à família vivenciar em júbilo o nascimento de mais um ser.

Depois fizemos a nossa roda de conclusões e encerramos o evento com uma deliciosa dança circular, conduzida pela Djaala com muito carinho.

* imagens: Renata Matteoni, Sandra Sisla e Mariana Tezini

Entrevista concedida por Carla Machado aos Caçadores de Bons Exemplos

28/06/2012

Carla falou, em nome da ANEP Brasil, sobre a importância do período pré-natal, em entrevista concedida aos Caçadores de Bons Exemplos, na Cúpula dos Povos. Confiram:

Nove meses para salvar o mundo

26/06/2012

Por  Carla Machado

O principal tema de toda a conferência Rio+20 é como deter a poluição e criar um ambiente saudável para todos e para a Terra. A resposta para essa pergunta é simples: parar de gerar os poluidores. O útero é a primeira casa que os seres humanos habitam. Sabe-se que todo início, não só tem força, como é determinante. O “imprint” poderoso do início da vida é um fractal da trajetória da existência de um indivíduo. O que é vivido desde os primeiros instantes da vida física no planeta, e isto inclui a concepção, é como um rastro de pegadas no cimento fresco, difícil de apagar.

Na 6ª feira, dia 15/6, de manhã, na sala T4 do RioCentro, foi realizado um painel com presenças notáveis na mesa e na audiência, que debateram e demonstraram quão importante é este tema para o futuro.

O Dr. Michel Odent, médico francês, fundador do 1º centro de pesquisa em saúde primal, autor de 12 livros, foi um dos palestrantes para explicar como a forma invasiva e desrespeitosa de lidar com a saúde da gestante e, portanto, do bebê que ali iniciou sua vida na Terra, se instalou na sociedade disfarçada de cuidado e atenção.

A representante da OMAEP (Organização Mundial das Associações Nacionais de Educação Pré-Natal), Julie Gerland, falou do poder que a natureza outorgou à mulher gestante de formar o futuro habitante do planeta e que todo investimento feito em prol do bem estar e da alegria dela se traduz numa enorme economia para as nações.
As crianças assim gestadas, com sua neurofisiologia respeitada, tem um cérebro hígido (saudável, robusto) e são predispostas à empatia, criatividade, compaixão e respeito pela vida (Kinship with all life) em todas as suas formas.

A presidente da FEFAF (Fédération Européenne des Femmes Actives en famille), ONG Internacional co-sponsor do painel, a sueca Madeleine Wallin, mãe de cinco filhos, falou da importância da presença da mãe no lar durante a primeira infância de seus filhos, garantindo uma base harmoniosa para o desenvolvimento deles. Isso só é possível em larga escala mediante uma sociedade que saiba valorizar a função materna, que no passado foi vivida como obrigação e único caminho para as mulheres e hoje já é uma opção de caminho consciente adotada por várias famílias na Europa e no mundo.

O embaixador Carlos Moreira Garcia, presidente da ECO92, esteve presente na exposição e endereçou à Madeleine uma pergunta sobre como a economia sueca resolveu esta questão da mulher mais presente no seu papel de mãe e, portanto, menos disponível para o (mercado de) trabalho externo. A presidente da FEFAF, Madeleine, respondeu exemplificando uma das possíveis soluções que é a adoção de uma jornada de trabalho de meio período durante estes primeiros anos de vida dos filhos, que pode ser compensada por um acréscimo proporcional de tempo de serviço antes da aposentadoria, que ocorreria num período em que a presença da mulher não é mais tão vital na criação dos filhos.

Outra colocação feita pelo embaixador sobre a quantidade de elementos tóxicos presentes no útero que o bebê vai habitar, oriundos da poluição e da alimentação com presença de defensivos agrícolas e hormônios, é bem respondida pelo conteúdo do livro de Michel Odent “Birth at the age of plastics”. Lá ele fala sobre a quantidade excessiva de, por exemplo, estrogênio, oriunda de hormônios artificiais injetados nos alimentos, que pode prejudicar, sobretudo, os indivíduos do sexo masculino em sua futura sexualidade, já que o estrogênio é um hormônio predominantemente feminino. Também expõe sobre a quantidade de resíduos plásticos encontradas no cordão umbilical, devido também as soluções intravenosas embaladas em plástico, que são gotejadas por longos períodos (até 36 horas) durante o trabalho de parto.

A célebre frase de Michel Odent bem resume a mensagem dada neste painel “para mudar o mundo é preciso primeiro mudar a forma de nascer”.

Espera-se que a sociedade desperte para a importância de preservar o primeiro ambiente do ser humano, o útero, para que ele então possa seguir o exemplo e respeite naturalmente a nossa casa em comum: o planeta Terra.

A Educação Pré Natal na Rio+20!

04/06/2012

“Para mudar o mundo é preciso mudar a forma de nascer” (Michel Odent)

É com imensa alegria que divulgamos o evento que a OMAEP, entidade internacional que congrega ANEPs em 22 países do mundo, entre elas a nossa, estará organizando durante a III Reunião do Comitê Preparatório para a Rio+20, no dia 15 de junho às 9:30h: 9 Months to Save the World: Mother Key to Sustainable Development.

O objetivo é chamar a atenção do mundo para o ser humano. É durante os 9 meses anteriores ao nascimento que a saúde física e emocional, a segurança, a inteligência e também a capacidade de amar são formadas. Se é nosso desejo acabar com o medo e a ganância que estão destruindo nosso planeta, devemos começar por trazer ao mundo seres humanos pacíficos, amorosos e saudáveis. Nós podemos fazer isso.

O evento, organizado em parceria com FEFAF (Federation European des Femmes au Foyer) e ICM (International Confederation of Midwives), contará com as falas de Michel Odent, Julie Gerland e Madeleine Wallin, e moderação remota de Robbie Davis-Floyd.

Carla Machado, presidente da ANEP Brasil, está integrando o comitê organizador, e a ANEP Brasil estará por lá em peso. Acreditamos muito nessa grande oportunidade, que é a de levar o tema da educação pré natal para um evento da magnitude da Rio+20. Aos que acreditam na causa pedimos que ajudem a divulgar e que enviem todas as vibrações positivas possíveis!

Abaixo, maiores detalhes sobre o evento:

9 Months to Save the World: Mothers, Key to Sustainable Development

“When the world wakes up and realises that it is mothers who hold the true power to human development, we will be able to stop destroying our planet and create the sustainable future we want,” says Dr. Julie Gerland, chief United Nations representative of OMAEP, Organisation Mondiale des Associations pour l’Éducation Prénatale (World Organisation of Prenatal Education Associations).

World governments, non-governmental organisations, leaders and indigenous peoples are preparing to meet in Rio de Janeiro at the United Nations Conference on Sustainable Development Rio+20 in June to meet the immense challenges facing humanity. The agenda is to eradicate world poverty, create sustainable development and peaceful prosperity for our planet and the whole human family.

OMAEP, a federation of 22 national associations, is joining forces with the European Federation of Parents and Carers at Home (EFAF), the International Confederation of Midwives (ICM) and the Primal Research Centre to highlight the decades of science confirming that the first nine months of life before birth is the key.

“If we wish to change the world, we must change the way we are born,” says Dr. Michel Odent, world renown pioneer and author of 13 books on the subject including “Childbirth in the Age of Plastics.” Dr. Odent will be presenting “The Evolution of the Human Oxytocin System” at the panel event organised by OMAEP. Research in epigenetics and cellular memory confirm that a pregnant mother’s thoughts, feelings, environment and the way she gives birth, directly affects the long term development of her child. Mothers are children’s first environment, this is where the seeds of peace, prosperity, intelligence and sustainability must be sown and nurtured.

“Parents have the responsibility of being the role models for their children,” says Madeleine Wallin, the Swedish mother of five and president of the FEFAF, “by passing on healthy relationships and sustainable practices children learn how to care for each other and the environment. A sustainable peaceful future can become a reality for all.”

Three countries are already leading the way by including “Prenatal Education” in their national education curricula.

The side event, 9 Months to Save the World: Woman Key to Sustainable Development will be held in Riocentro on 15th June 9:30am – 11am.

Honoured guest: Carlos Moreira Garcia former Brazilian Ambassador and Minister for Children, and President of the UN Earth Summit Rio-92

United Nations website Side Event description:

http://www.uncsd2012.org/rio20/index.php?page=view&type=1000&nr=567&menu=126

For more information 

http://naturalprenataleducation.com 

http://omaep.com 

http://www.anepbrasil.org.br

For interviews please contact : Dr. Gerland: julie@omaep.com
Justice Ioanna Mari (President OMAEP): contact@omaep.com
Carla Machado (President ANEP-Brazil): carla@omaep.com

OMAEP, Solomou 31- 10682 Athens, Greece

ANEP Brasil no site da Revista Pais e Filhos

22/10/2011

Antes da concepção

É possível fazer uma educação pré-natal. Saiba como aqui.

Qual é o momento de se preparar para gerar um filho? A educação pré-natal diz que é preciso começar o mais cedo possível

A preparação, seja física ou psicológica, para gerar um filho não deve começar apenas quando o casal resolve engravidar, mas sim bem antes disso, durante o começo da adolescência.

Esta é a chamada educação pré-natal, um trabalho preventivo, segundo Carla Machado, mãe de Sabrina e Roberto. Com diferentes técnicas, aplicadas em bebês, crianças e adolescentes, a educação pretende fazer com que o mundo receba melhores indivíduos.

Segundo Carla, qualquer doença, neurose ou problema que a pessoa tenha dificuldade para resolver pode ter sido originado na existência pré-natal, antes, durante ou depois do nascimento.

Por isso que a mulher e o homem que quiserem conceber uma criança devem valorizar uma gestação tranquila. Em alguns países, com Finlândia, Holanda e Suécia, as mulheres têm licença durante a gravidez, e não só apenas depois do parto.

Carla diz que a educação pré-natal deve começar a partir dos 12 anos, quando as crianças estão entrando na puberdade e começam a produzir ocitocina, o hormônio do parto.

Para saber mais

Entre os dias 18 e 20 deste mês, a Associação Nacional para Educação Pré-Natal fará um curso sobre o tema, com palestras de Cleusa Vicchiarelli, Eliane Torreão e Carla Machado.

As interessadas podem se informar pelo site www.anepbrasil.org.br

 

—————————

Uma observação: as informações sobre o curso na matéria estão desatualizadas, o curso que acontecerá esse mês é Sexualidade e Espiritualidade.

ANEP Brasil no apoio à Monte Azul

03/09/2011

Por Carla Machado

Da esquerda para a direita: Valéria Carrilho, Marcio Garcia, Eliana Garcia, Sabrina Bezerra e Carla Machado

Não é só o Márcio Garcia que apóia a ONG Ação Comunitária Monte Azul – diga-se de passagem, a maior obra social antroposófica de que se tem notícia. A ANEP, com Carla Machado, também esteve no jantar promovido nesta 5ª feira, dia 01/09/2011, no Restaurante Canvas, dentro da iniciativa SPRW – São Paulo Restaurante Week. O Restaurante Week divulga e democratiza a culinária gastronômica e cumpre um importante papel social, sugerindo aos clientes dos restaurantes participantes uma contribuição de R$ 1 em cada refeição para a ONG Monte Azul. Márcio Garcia veio até São Paulo prestigiar esta iniciativa, por intermédio da irmã Carla e em nome da Monte Azul (literalmente vestimos a camisa), agradecer ao apoio que esta campanha esta dando à ONG.

A ANEP, numa parceria com a Casa Ângela – casa de parto que pertence à Ação Comunitária Monte Azul , tem sediado os encontros da Formação em Educação Pré-natal neste espaço acolhedor e que promove um excelente cuidado pré natal para os moradores da comunidade, além de incentivar o parto humanizado e o aleitamento materno.

Diga-se de passagem, a esposa do Márcio, Andréa Santa Rosa, após uma cesárea e um parto normal hospitalar deu à luz ao caçula do casal, Felipe, em Dezembro de 2009, num parto natural domiciliar com a enfermeira-obstetra / parteira, Heloísa Lessa. A ANEP Brasil trabalha para que mais e mais crianças, não importando de que classe social, pois afinal de contas nascer é um ato fisiológico, possam ter direito a um nascimento saudável, humano e natural.

Deixamos aqui registrado mais uma vez o nosso apoio à maravilhosa Ação da Monte Azul, com a Casa Ângela.

O 3º Módulo da Formação da ANEP Brasil – Corporificando a Consciência

30/08/2011

Por Carla Machado

Difícil expressar em palavras uma vivência. Ainda mais algo tão tocante, singelo e profundo. Cleusa e Eliana trouxeram para o grupo uma experiência transcendente, e ao mesmo tempo, ancoradora. Trabalhamos muito o corpo, desde o início de nossa “corporificação”, ou seja, quando o nosso espírito fundiu-se à matéria, na concepção. Cleusa conduziu uma viagem belíssima para a origem da nossa caminhada, e fomos longe, muito longe. E aos pouquinhos fomos chegando na Terra, na nossa família, resgatando a nossa missão no mundo, o propósito desta experiência de estarmos vivos. Como no texto que elas exibiram numa inspiradora apresentação para o grupo:

“Quando você convida uma Alma para entrar em sua vida, ao conceber um bebê, está assumindo uma responsabilidade sagrada de amar e nutrir um impulso divino se manifestando sob a forma de humanidade.” Deepak Chopra

Foram ricas experiências corporais, caminhando, soltando o corpo, encontrando o nosso lugar interno, nossa presença no aqui e agora, e encontrando-nos também com o outro, momento mais que mágico! Eliana ensinou o grupo a criar um “campo” de energia para trabalharmos como profissionais do nascimento, de como a doula ou parteira pode e deve aprender a criar esta atmosfera, não importando qual o cenário.

Eu trouxe também para o grupo um conto que falava da necessidade de nos acolhermos para podermos acolher o outro, e vivemos a mandala da ANEP, que é um óvulo solar recebendo o espermatozóide com consciência, e criando nova vida, novas possibilidades de criar e recriar o mundo em que vivemos. Tudo foi sendo retratado em desenhos, e compartilhado no grupo. Saímos de lá cheios de energia e vontade de atuar no mundo.

Nossa gratidão a todos que participaram desta belíssima jornada!

E vamos rumo ao próximo módulo, dias 28, 29 e 30 de Outubro, com a médica Antroposófica Dra.Ana Paula Cury, que falará sobre Sexualidade e Espiritualidade – como atuar na educação dos jovens e adolescentes. Imperdível, programem-se!